Como funciona a ação ergogênica da cafeína?

Diversos estudos experimentais comprovaram a ação ergogênica da cafeína em aumentar a tolerância ao exercício ou postergar a fadiga, visando à melhora da performance ou do desempenho físico.
Um agente ergogênico é qualquer mecanismo, efeito fisiológico, nutricional ou farmacológico capaz de melhorar a performance nas atividades físicas esportivas ou ocupacionais.
Os efeitos ergogênicos da cafeína ainda não estão completamente elucidados, mas os pesquisadores acreditam em alguns mecanismos principais, como a ação da substância no sistema nervoso central afetando a percepção subjetiva de esforço e/ou a propagação dos sinais neurais entre o cérebro e a junção neuromuscular, postergando a sensação de fadiga. Outro mecanismo, sobre o músculo esquelético, aumenta os níveis intracelulares de cálcio nos músculos e a eficiência da contração. A hipótese aceita para esse último mecanismo é de que a cafeína aja sobre o retículo sarcoplasmático, aumentando sua permeabilidade ao cálcio e tornando este mineral prontamente disponível para o processo de contração muscular.
Por isso, a cafeína é utilizada como estratégia em atletas tanto de esportes anaeróbios (alta intensidade e curta duração), como aeróbios (baixa ou média intensidade e alta duração).
A cafeína pertence a uma classe de compostos chamada xantina e é um potente estimulante. É encontrada em chás, cafés, cacau, guaraná, chocolate e refrigerantes. Seus principais efeitos fisiológicos no organismo humano (quando consumida em baixas dosagens – 2 mg/kg de peso corporal) são o efeito estimulante, diurético, diminuição da sonolência, aumento da taxa metabólica, estado de vigília e frequência cardíaca, relaxamento da musculatura lisa dos brônquios, do trato biliar, do trato gastrintestinal e de partes do sistema vascular.
Quando administrada via oral, a cafeína é absorvida de modo rápido e eficiente, com aproximadamente 100% de biodisponibilidade. A maioria dos estudos utiliza o intervalo de 60 minutos entre a ingestão de cafeína e o início do exercício físico, uma vez que este parece ser o tempo em que se observa a maior concentração da substância na corrente sanguínea após a ingestão.
Os estudos com resultados significativamente positivos, em que os atletas que ingeriram cafeína apresentaram maior tempo para a exaustão no exercício físico, foram obtidos com as mais diversas dosagens de cafeína. Desde baixas e moderadas (2,1 a 4,5 mg/kg de peso corporal) até doses supra fisiológicas (5,0 a 13,0 mg/kg de peso corporal). No entanto, os autores relatam não haver diferença significativa entre as dosagens maiores, pois os efeitos da administração de 3 ou 6 mg/Kg de peso corporal tiveram o mesmo efeito ergogênico.

Uma dose moderada de cafeína corresponde a cerca de 400 a 500 mg/dia, o equivalente a 4 xícaras de café.
A ingestão de cafeína em excesso pode causar irritabilidade, dores de cabeça, insônia, diarreia e palpitações do coração. A dose letal para uma pessoa adulta pesando 70 kg seria de aproximadamente 10 g.

Até o final de 2003, a cafeína era considerada doping pela Agência Mundial Antidoping (World Anti Doping Agency – WADA), mas a partir de 2004, foi retirada da lista de substâncias proibidas e incluída na lista de substâncias que seriam apenas monitoradas.

Bibliografia (s)

Triana RO, et al. Efeito da ingestão de cafeína sobre o limiar de esforço percebido (LEP). Motriz. 2008;14(3):300-9. Disponível em:http://cecemca.rc.unesp.br/ojs/index.php/motriz/article/viewFile/1441/1889. Acessado em: 17/09/2009.

Camargo MCR, Toledo MCF. Teor de cafeína em cafés brasileiros. Ciênc Tecnol Aliment. 1998;18(4):421-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-20611998000400012&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acessado em: 17/09/2009.

Brenelli ECS. A extração de cafeína em bebidas estimulantes – uma nova abordagem para um experimento clássico em química orgânica. Quim Nova. 2003;26(1):136-8. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/qn/v26n1/14313.pdf. Acessado em: 17/09/2009.

Altimari LR, Cyrino ES, Zucas SM, Okano AH, Burini RC. Cafeína: ergogênico nutricional no esporte. Rev Bras Ciên e Mov. 2001;9(3):57-64. Disponível em:
http://www.sncsalvador.com.br/artigos/cafeinaergogeniconutricionalnoesporte.pdf. Acessado em: 17/09/2009.

Altimari LR, Moraes AC, Tirapegui J, Moreau RLM. Cafeína e performance em exercícios anaeróbios. Rev Bras Ciên Farmac. 2006;42(1):17-27. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbcf/v42n1/29856.pdf. Acessado em: 18/09/2009.

Braga LC, Alves MP. A cafeína como recurso ergogênico nos exercícios de endurance. Rev Bras Ciên e Mov. 2000;8(3):33-7. Disponível em: http://www.mestradopga.ucb.br/mestradoef/RBCM/8/8%20-%203/completo/c_8_3_5.pdf. Acessado em: 22/09/2009.

Altimari L, Melo J, Trindade M, Tirapegui J, Cyrino E. Efeito ergogênico da cafeína na performance em exercícios de média e longa duração. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2005;5(1):87–101. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rpcd/v5n1/v5n1a10.pdf. Acessado em: 22/09/2009.

Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC). Café e cafeína não possuem riscos em doses moderadas. Disponível em: http://www.abic.com.br/sabor_cafe.html#excesso. Acessado em: 22/09/2009.

Autor(a): Iara Waitzberg Lewinski
Data: 25/09/2009 09:21:25

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário