FOME OU VONTADE DE COMER

A diferença entre essas reações à mesa é bastante sutil. Enquanto a primeira tenta suprir apenas as necessidades nutricionais e reais do organismo humano, a outra surge para saciar um desejo ilusório de fome que, na verdade, pode ser motivado pelas mais variadas razões.

Certamente a ansiedade e o stress são os maiores responsáveis pelas transgressões da dieta, verdadeiro gatilho da fome emocional. Buscar o conforto na comida é a válvula de escape utilizada pela grande maioria da população e manter a linha na dieta nesse momento passa a ser um grande desafio.

Quando esses sentimentos estão no auge, o descontrole é inevitável e a necessidade de preenchimento culmina com o ataque sem freio à comida na tentativa de preencher o vazio a que são acometidos.

Consumir alimentos sem o menor critério é o principal fator no ganho de quilos extras, no acúmulo de gordura central e na retenção de líquidos.

Os alimentos mais procurados são os ricos em açúcares e gorduras. Se levarmos em consideração que os melhores momentos de nossa vida – aniversários, casamento, batizados, formaturas, etc. – são regados a “alimentos gostosos”; nada mais razoável pensar em alimentos que nos remetem a momentos prazerosos, daí a grande necessidade de DOCES.

Apenas não devemos esquecer que essa fuga pode até proporcionar prazer, mas ele é momentâneo e vem sempre seguido de uma grande frustração.

DICAS DE ALIMENTOS PARA AJUDAR A DRIBLAR A FOME EMOCIONAL
 
– Inclua pequenas porções de castanhas, nozes, amêndoas ou sementes de girassol. São alimentos ricos em selênio, mineral importante para o organismo, e que combate a ansiedade;

– Procure identificar o que faz você comer mais – um diário alimentar ajudaria nesse momento, relate tudo o que comer durante o dia, até mesmo as beliscadas fora da dieta, junto a esse registro, coloque o sentimento do momento se era de tristeza, cansaço, alegria, etc.

– Faça uma lista de atividades que lhe tragam algum tipo de prazer tipo: dançar, ouvir música, cantar, passear no shopping e substitua as guloseimas por uma delas.

– NUNCA armazene guloseimas em casa e quando for ao supermercado procure sempre ir alimentada, isso irá te ajudar sobremaneira na escolha dos itens a serem comprados. Sem as guloseimas estocadas no armário, na hora do desespero irá encontrar apenas alimentos saudáveis e menos gordurosos para se saciar na hora da fúria.

– O stress contribui para o aumento da ansiedade. Procure um método de relaxamento mais eficaz para você, seja massagem, leitura, passeio ou músicas. O exercício físico também colabora para reduzir o estresse, pois provoca a liberação de endorfinas, as quais servem de calmante e proporcionam bem estar. O mesmo vale para as relações sexuais.

– Quando não souber definir se está com fome ou com vontade de comer, tome água ou chá, muitas vezes a sensação de estômago vazio é sede.

– Mais importante, aprenda a diferenciar a fome da vontade de comer. Quando perceber que o que está sentindo é fruto de ansiedade ou parte do hábito de beliscar, procure algo para se distrair: ligue para um amigo, ouça música, faça exercícios, dê um passeio. Só não corra para a geladeira. Pense na recompensa que a espera ali na frente, tente comer para o corpo que deseja!

Dra Telma Waki

CRN 2165/MT

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =